Menu Fechar

Procrastinação – O que é e como diminuir o seu impacto

Ouvimos muitas vezes a palavra procrastinar mas o que é a Procrastinação?

Procrastinar é o ato de adiar algo ou prolongar uma situação para ser resolvida depois. Podemos dizer que Procrastinação é a “arte”, o vício e a mania de deixar algo para fazer depois ou para amanhã.

Procrastinar não é só uma questão de preguiça ou de não apetecer fazer o que se tem para fazer mas, fazer tarefas que “parecem” ser necessárias mas que não o são, evitando fazer outras que seriam mesmo mais importantes.
Aquilo que poderia ser realmente importante vai ficando para trás pois é preciso arrumar a secretaria, ou ir beber um café, ou ver o Whatsapp, ou espreitar o Facebook, conversar com o colega ou até ver aquela série gira na Netflix etc etc etc

Eu procrastino, tu procrastinas, nós procrastinamos …

A procrastinação é um comportamento considerado normal ao ser humano, no entanto, pode tornar-se bastante prejudicial quando começa a impedir o funcionamento das nossas rotinas pessoais ou profissionais.

Todos nós sofremos de algum nível de procrastinação, faz parte da nossa natureza deixar tarefas para depois. Principalmente se são tarefas aborrecidas ou bastante complexas e que muitas vezes nem sabemos por onde começar.

E mesmo sabendo como o hábito de procrastinar com frequência, pode ser prejudicial, não o conseguimos evitar!

Por vezes o problema não são só as tarefas urgentes ou com prazos, que mais tarde nos causam stress e pressão, mas aqueles projetos (até pessoais) que são importantes, mas por não terem um caráter de emergência, vão sendo adiados e nunca deixam de ser apenas planos ou de saírem do papel.

Mas então, parece que a questão fundamental talvez seja Porque procrastinamos?

A procrastinação pode ter várias causas :
* Falta de objetivos claros e não fazer planeamento
* Incorreta gestão de tempo e definição de prioridades
* As tarefas são aborrecidas e não apetece fazer
* As tarefas são complexas e não sabemos por onde começar 
* Perfeccionismo (nunca está suficientemente bom)

Cada caso é um caso, mas é importante perceber as razões por detrás da nossa necessidade de procrastinar :

Queremos gratificação instantânea, deixamos muitas vezes para trás tarefas mais aborrecidas ou complexas em prol de momentos mais imediatos de prazer ou conforto.

Não existe consequência negativa, no agora – vamos pagar por isso mais tarde, mas no momento presente não há consequências.

 Exageramos na estimativa de quem seremos e do que faremos no futuro. Acreditamos que o nosso EU futuro será mais produtivo e irá resolver todas as coisas que deixamos pendentes hoje.

Para o psicólogo Tim Pychlyl, da Universidade de Carleton no Canadá, procrastinação é tomar a decisão de não fazer algo mesmo sabendo que a longo prazo isso será pior.

De acordo com Pychlyl, não se trata de uma questão de gestão de tempo e sim de uma incapacidade de controlar emoções e impulsos.

Quando procrastinamos, estamos a tentar melhorar nosso estado de ânimo evitando fazer algo que nos parece desagradável. Por isso a procrastinação é mais comum em quem é mais impulsivo, propenso ao perfeccionismo, quem se sente oprimido pelas opiniões dos outros ou teme o fracasso.

Outros estudos científicos (por ex. da Universidade de Colorado) referem que a procrastinação pode ter uma causa genética decorrente da nossa impulsividade e a nossa tendência natural de mudar de umas tarefas para outras variadas vezes, tal como diz Pychlyl.

A luta não é, na maior parte das vezes contra a nossa força de vontade, mas contra a nossa natureza genética. 😉

Uma das formas aconselhadas para diminuir a impulsividade é Respirar … para e respira… conecta-te com o aqui e agora.

Quem faz meditação ou pratica mindfulness verá diferenças enormes nesse aspeto.

Deixo-te aqui um conjunto de DICAS para te ajudarem a combater a procrastinação : 

DICAS para reduzir a procrastinação

  • Pratica técnicas de “mindfulness”e meditação ou aprende a focar-te na tua respiração para te ajudar a conectar com o aqui e agora e mais facilmente resistir à tua impulsividade natural.
  • Divide metas e tarefasaté que sejam mais exequíveis e façam sentido (dividir a tarefa em passos claros e controláveis)

Uma das razões de adiarmos o que devemos fazer é que as metas a que nos propomos são em geral grandes e vagas – o que as faz intimadoras e desagradáveis.

  • Não te castigues por procrastinar e aprende com a experiencia.

Pesquisas na Universidade de Carleton no Canadá mostram que os estudantes que se perdoam por procrastinar tendem a não repeti-lo em sua próxima tarefa.

  • Relembra-te da importância do que deve ser feito. Pychyl diz que a procrastinação frequentemente reflete um problema existencial mais profundo de falta de identidade ou objetivos de vida.

Procrastinamos quando a tarefa nos parece aborrecida ou menos significativa. Assim, é preciso não esquecer da razão porque se está a realizar a tarefa e como ela se encaixa nos nossos projetos.

  • Pensa no teu  ‘eu futuro’ – Quem queres ser no futuro? O que queres ser ou ter? Pensa na “dor” que significa no teu futuro não fazeres algo.

Não penses a curto prazo mas visualiza o que de bom te pode trazer o que fazes agora ou o que de mau te pode trazer o que não fizeres.

  • Acaba com o multi tasking– Programa tempo para executar apenas uma tarefa de cada vez, definindo prioridades.

Querer fazer duas, três ou quatro coisas ao mesmo tempo normalmente provoca chegar ao fim do dia com as coisas pela metade.

Cria mini-hábitos ou apoia-te nos bons hábitos que você já tens :

To-do List: Fazer lista de tarefas do dia e prioritizar tarefas

Blocos de produtividade: Criar blocos de tempo por ex. de 25min de foco /5min de intervalo (técnica Pommodoro) para conseguir realizar as tarefas com o máximo de foco possível;

Agenda: Marcar todos os compromissos e tarefas importantes na agenda para ter uma visão clara de tudo que há para fazer;

Rotina: Estabelecer rotinas e hábitos para ajudar a realizar as tarefas. Definir dias específicos para exercício físico, por ex;

Anotações: Anotar todas as ideias e pensamentos interessantes no caderno, e rever semanalmente

 E não te esqueças : Comemora o tempo conquistado  

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *